Anarquia

Terra que a gente pisa, ou não?

Por Scott Fraga.

Camaradas,

Por quê existem anarquistas hoje em dia, anti marxistas pelo fato de que estes se detiveram na questão Kronstadt,1921?! Não me parece compreensível pois ainda que o autor mesmo de tal massacre seja Trotsky e seus queridos ex tzaristas assalariados no exército bolchevique, até o grande Lênin enfunado no palácio do Tzar apartado dos conselhos de sovietes e das massas em geral (crítica ineludível de Kropotkin) merece uma boa e densa crítica limpa de subjetivismo um marxista honesto não pode negar isto.

Os partidos comunistas “oficiais” não fazem esta auto crítica imprescindível, daí a maior parte dos marxistas sérios atuais estarem apartados dos partidos ora kruschevistas ora hohxaístas;

Certas correntes anarco capitalistas também reproduzem tal discurso anti comunista e insistem em dissolver a linha histórica direita e esquerda a seu bel prazer com isso confundindo ainda mais as massas exploradas no nosso país; não faz sentido recorrer a reprodução de erros do passado como a traição ao poder popular ou autoritarismo da ‘última análise’ sobre os ocorridos quando a questão fulcral é organizar pautas de luta comuns para atender as urgências do momento presente; não seria mais coerente com o tema libertário estarmos lado à lado do povo compondo com a nossa pluralidade heterogênea que tanto preconizais, compondo as lutas em diversas frentes de batalha?!

Passa ao meu ver, a ser ilógico e não materialista, me esclareçam os camaradas mais experimentados de ambos os lados, deixar a hipótese de compor uma frente em sua localidade com os camaradas locais; rechaçar à frente, dividir o povo combativo ainda mais, abandonando as trincheiras e dores de batalha comuns a todas e todos negros e vermelhos, para, munido da suposta razão última, deixar de atacar a face mais brutal do capitalismo, revelando nossa debilidade para o inimigo comum; me parece incompreensível; ou talvez tudo não passe de enorme cinismo e uma absurda justificativa para o peleguismo ou pior sectarismo do mais vil personalismo; vale lembrar que em dita batalha que começa no dia 7 de março ás 18:45 boa parte dos mesmos soldados enviados bolcheviques passaram a lutar com os ditos rebeldes de Kronstadt (documentado por anarquistas, revisionistas, e pelo próprio arquivo do exército vermelho) desertando em momento crucial para mostrarem-se leais aos ideias de 1905 e não aos desmandos de Trotsky; não faz sentido a crítica anti estatista como justificativa de divergência radical uma vez que marxistas também supõem a destruição do estado burguês; o que só se compreende se tais anarquistas anti comunistas sejam também kardecistas ou místicos.

Tendência esta catatônica, note a auto crítica, muito forte entre anarquistas mais orgânicos em geral. Eu mesmo fui um destes anarco panteístas individualista pseudo revolucionário quando semi informado.

Mas apresentem algo mais que Kronstadt e a crítica anti estatista, para serem anti marxistas, posto que sequiosos em nos taxar de fascistas vermelhos, mais parecem estar dispostos à fazer coro com o imperialismo que sempre viu nos anti marxistas em geral, seus valiosos aliados e espiões descartáveis alguns santificados até. (de rerum novarum 15 de maio 1891 e os ordoliberais)

Lutemos lado a lado. Haverá um síntese que nos una camaradas.

Comentários do Facebook

Comentários

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

To Top