Violência Policial

Polícia mata mais que bandido, diz IPEA

Segundo a pesquisa, assassinatos causados por policiais superam latrocínios!

Policiais matam mais que ladrões
em 2015, segundo pesquisa do Ipea divulgada no início do mês. O número de latrocínios (roubos seguidos por morte) no Brasil em 2015 foi de 2.314; as mortes por intervenção policial foram 3.320 [1].

Quando se considera a diferença entre mortes por policiais e latrocínios, o Rio de Janeiro é o estado que lidera: a polícia matou quase cinco vezes mais do que os ladrões.

No Atlas da Violência, compilado pelo Ipea com dados do IBGE e do Ministério da Saúde, os pesquisadores alertam para a conivência da sociedade com um uso abusivo do poder da polícia e com execuções sumárias.

O país será obrigado a publicar um relatório sobre as mortes causadas por policiais em todos os estados. Além disso, terá um ano para garantir que esses casos sejam investigados por um órgão independente da força pública envolvida, uma autoridade judicial ou o Ministério Público (MP).

Vários casos de EXECUÇÃO DE INOCENTES mostram o despreparo da PM carioca e questionam a eficácia da política de confronto ostensivo com bandidos [2].

É uma situação indefensável que vem se repetindo há muito tempo, mas que ganhou visibilidade quando dois policiais militares executaram a tiros um garoto de três anos de idade, João Roberto Amorim Soares. Ele estava no carro conduzido por sua mãe, ao lado do irmão, Vinícius, de nove meses. Passavam pela Tijuca, zona norte da cidade, quando os policiais mandaram o carro parar e, antes que a motorista pudesse obedecer, começaram a atirar . Foram 20 disparos contra o Fiat Weekend de Alessandra e seus filhos. O fogo só parou quando ela jogou uma bolsa de bebê pela janela. Já era tarde. João Roberto levara três tiros, um na cabeça.

[1] http://exame.abril.com.br/brasil/assassinatos-causados-por-policiais-superam-latrocinios-diz-ipea/

[2] http://istoe.com.br/11342_POLICIA+ASSASSINA/

Arte de capa Carlos Latuff.

Comentários do Facebook

Comentários

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

To Top