Olimpíadas 2016

O Planejamento Maléfico Econômico do Estado em suas diferentes vertentes

Por Felipe Falcão.

No primeiro dia que um político toma a posse do seu cargo eleito a primeira pergunta para si mesmo e também para seus assessores é: “Onde vamos conseguir ganhar dinheiro nessa estrutura pública? Na Prefeitura do Eduardo Paes essa resposta foi “solucionada” de comum acordo entre as três vertentes do Estado, representadas pelo Governo Federal, Estadual RJ e Municipal RJ.

Eduardo Paes, sendo o ovo da serpente e aluno do ex-prefeito César Maia, atual vereador do RJ, elaborou um planejamento com o seu séquito ligado a máfia imobiliária internacional e regional, buscando mega eventos para a cidade do Rio de Janeiro, vendeu a ideia junto ao Governo do Estado e Governo Federal, estava feita a tríplice coroa da corrupção nesse País.

Primeiramente necessitavam de um excelente planejamento no “power point 3 d”, para apresentar as empreiteiras, bancos, políticos e patrocinadores. Os investidores especulativos nacionais e internacionais acharam um grande negócio para aumentarem as suas fortunas, com taxas de retorno altamente lucrativas, mas o pior estava por vir…. .O Governo Federal, Estadual e Município não tinha nenhuma verba disponível…

Eduardo Paes necessitava de realizar a multiplicação dos peixes, “como Jesus Cristo no Rio Jordão”…, depois de duas tentativas de receber os jogos olímpicos, na terceira realizou, hoje comprovadamente com intenções obtusas. Finalmente o planejamento atingiu o seu objetivo, agora era partir para a execução do plano.

Iniciou uma correria literalmente ao eldorado carioca: contratos de patrocínios milionários, construções de estádios, empréstimos nacionais e internacionais, construções de imóveis, inserções de repressão policial nas áreas mais carentes, os comerciantes iniciaram reformas nos seus estabelecimentos, novos shoppings. Enfim… meta Rio de Janeiro DUBAI, mas o Governo Federal, Estadual e Municipal necessitavam de entrar com a sua parte financeira nesse belo investimento faraônico. Como?

A administração desse “monstruoso” evento pertencia a Prefeitura do Rio de Janeiro na parceria do Governo Federal e Estadual. O quê aconteceu de fato: O dinheiro “investido” digamos do COI, Patrocinadores, Governo Federal, Estadual e Municipal virou uma grande de negociata de propinas com valores absurdos para os fornecedores(Empreiteiras, Bancos, Emissora de Tv e etc…). Esses governantes, empresários, políticos, patrocinadores, emissora de televisão receberam os seus valores cobrados, mas literalmente ficou um rombo de bilhões nos cofres públicos. Pra quem sobrou para pagar essa conta? O Povo e servidores públicos, que automaticamente criou um efeito colateral estilo dominó, totalmente maléfico para a economia do Estado do Rio de Janeiro.

No resumo da ópera milhares de negócio fechando, servidores públicos sem receber os seus ordenados, toda a arrecadação do Estado comprometida para pagar dívidas absurdas e eternas, ou seja, a estrutura do Estado do Rio de Janeiro falida por esse planejamento financeiro maléfico. O planejamento se estendeu o sucateamento das Universidades, Hospitais, Polícia, Previdência, CEDAE e outros setores. A proposta ficou focada agora nas Privatizações…,onde os próprios larápios vão comprar as empresas públicas, por preços de bananas. Quê maravilhoso “business plan” Eduardo Paes e a sua tríplice coroa !

Esse texto é um breve relato da falácia de investimentos externos ou internos de uma administração pública falcatrua S/A e seus cúmplices empresas, políticos, empreiteiras, bancos, emissora de televisão e patrocinadores. Espero que esse texto sirva de exemplo para outras Cidades no Mundo, para não entrarem nessa roubada. Segue o baile!

Comentários do Facebook

Comentários

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

To Top