América Latina

RÁDIO KURRUF DO CHILE RECEBE AMEAÇAS DE GRUPO PARAMILITAR DE EXTREMA DIREITA “HUSAR ANTI-MARXISTA”

O meio de comunicação independente Rádio Kurruf do Chile, quem participou do encontro de comunicadores “Mutirão” no Río de Janeiro, para a cobertura das consequências sociais das olimpíadas em agosto 2016, e que continua comunicando sob as graves violações de direitos humanos que acontecem no território mapuche no Chile, recebeu recentemente ameaças por grupo de ultra direita.

Solidarizamos com a situação que nossos irmãos estão vivendo y compartilhamos o comunicado público que emitiram para reafirmar nosso apoio. Estaremos atentos da evolução do caso.

Frente as ameaças e perseguição política do grupo “Húsar anti-marxista”, declaramos:

– Somos meio de comunicação independente nascido em Wallmapu, território militarizado e reprimido pelas forças policiais e o assédio de grupos paramilitares de extrema direita. Nascemos a partir da necessidade de dar a conhecer os fatos que são silenciados pela mídia hegemónica que manipula as informações.

– A maior parte das informações que lançamos é o resultado da violência política que existe no Wallmapu e outras áreas que sofrem realidades parecidas de repressão e assédio, uma questão que cada pessoa pode verificar em nossas realizações radiais, audiovisuais e o material escrito conferindo radiokurruf.wordpress.com

– À frente das psicóticas afirmações, ligações e ameaças do grupo Husar anti-marxista, temos a responsabilidade de deixar claro que a nossa iniciativa é gerada por mulheres e homens com base em um tecido horizontal, apoiado por uma riqueza de individualidades e meios de comunicação independentes que nos enviam seus registos diariamente. Por isso reiteramos: somos um meio de comunicação independente e de contra-informação radial, escrito e audiovisual de carácter autónomo e comunitário que promove o exercício do direito à informação dos eventos que ocorrem no Wallmapu, Abya Yala, na América Latina e no mundo. Informações que a mídia hegemónica abafa.

– Além disso esclarecemos que o nosso auto-financiamento é feito com auto-gestão baseado em atividades de caráter aberto e público, e não com base na contribuição das organizações políticas ou partidárias ligadas ao tráfico de drogas. Assim evidenciamos que não somos um braço comunicacional associado com políticas específicas como declara a ameaça deste grupo paramilitar.

– Condenamos o ato covarde de grupos terroristas como Husares Antimarxistas que, protegidos pela impunidade da lei atual ameaçaram jornalistas como Felipe Duran, a ex-conselheira da CONADI Ana Llao e agora para a Machi Francisca Linconao, tudo isto somado a suposta participação deste grupo no sequestro do longko Victor Queipul. Atualmente esses fatos ainda são uma questão de pesquisa nos órgãos competentes e levantaram preocupações da Anistia Internacional.

Note-se que em todos estes casos Radio Kurruf esteve presente na divulgação e geração de relatórios, portanto, não estranha que seja ameaçada por aqueles que hoje veem as pessoas que são oprimidas criar sua própria mídia, podendo, a partir da solidariedade e apoio mútuo, quebrar o cerco comunicacional conseguindo ser verdadeiros obstáculos para alcançar seus interesses nefastos.

– Deixamos em evidência também que dentro desta ameaça ressalta a participação de funcionários do Ministério Público de Temuco, da polícia de investigações e dos Carabineros, que estariam envolvidos ativamente neste grupo paramilitar dando-lhes informações privilegiadas sobre os nossas supostas atividades. Devido a isso, desafiamos esses órgãos para investigar entre suas fileiras, e anunciamos que através de meios legais exigiremos respostas e desligamento dos pressupostos envolvidos neste assunto, com o apoio do Centro de Pesquisa e Defesa Sur, CIDSUR.

– Por outro lado, queremos fazer uma ênfase especial para condenar e alertar sobre esta ameaça que particularizou o ataque ao coletivo contra uma mulher denominada como “Proprietária”. Esta é parte da perseguição política das companheiras que hoje estão lutando para a defesa dos territórios em crise, sob lacunas legais existentes que NÃO consideram feminicídios os assassinatos fora de um vínculo amoroso, como foi o caso de Macarena Valdés envolvida na defesa de Tranguil, Berta Cáceres ativista ambiental do COPINH assassinada em Honduras, Nicole Saavedra morta na cidade de Quillota só por ser uma lésbica, bem como os casos de violência de gênero como o de Lorenza Cayuhan e sua filha Sayen em Concepcion e o frustrado feminicídio no Peru contra Máxima Acuña. Por todo o exposto, podemos sair em defesa de nossas colegas comunicadoras e radialistas, que tomaram corajosamente esta caminhada.

Hoje mais do que nunca nós chamamos para todas as pessoas que vivem no território de Wallmapu, para os meios de comunicação independente e de contra informação no Abya Yala e no mundo, para as pessoas e os coletivos que fizeram parte da divulgação e apoio da Rádio Kurruf, a assinar o documento, apoiar e envolver-se em repúdio as ameaças contra os meios de comunicação independente neste e todos os outros territórios.

Pela liberdade de nos autoeducar, informar e comunicar!

Chega de Impunidade e ameaças de grupos paramilitares de ultra direita

Justiça para Macarena Valdès

Liberdade para a Machi Francisca Linconao

e todos os presos políticos mapuches e mestiços

 Porque nós somos milhares e estamos em todos os lugares, para cima meios de comunicação independente!!! 

Radio Kurruf , 20 de enero de 2017, Temuco warria.

COMUNICADO PÚBLICO ANTE AMENAZAS A RADIO KVRRUF POR PARTE DE GRUPO PARAMILITAR DE ULTRADERECHA “HUSAR ANTIMARXISTA”.

Comentários do Facebook

Comentários

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

To Top