Meio ambiente

O veneno está na mesa – Ato contra a Monsanto no Rio de Janeiro

Ato Contra a Monsanto no Largo do Marchado – Rio de Janeiro, integra a agenda de marchas e atos mundiais contra os agrotóxicos e transgênicos produzidos por esta empresa.

Cerca de 150 pessoas estiveram presentes na praça do Largo do Machado na tarde deste sábado 21 de maio para protestar contra a Monsanto e sua produção transgênica. Vários ativistas, artistas e movimentos de agroecologia denunciaram os malefícios desses alimentos para a saúde e natureza, além de distribuir materiais informativos sobre alimentação orgânica e os impactos do agronegócio. Em todo o mundo a empresa tem sido alvo de frequentes protestos de ativistas ambientais. Por exemplo em 25 de maio de 2013 chegaram a ser realizados protestos simultâneos em mais de quarenta países do mundo e em centenas de cidades, contra a empresa norte americana que é maior produtora mundial de sementes transgênicas.

IMG_0248

Ativistas reclamam que alimentos que possuem transgênicos devem ser sinalizados na embalagem. Luta que vem sendo constantemente sabotada no Brasil por políticos da bancada ruralista que defende sistematicamente os interesses do agronegócio e de empresas como Monsanto. Um dos principais produtos da empresa o Round Up, que é um herbicida glifosato, já foi proibido em diversos países, mas no Brasil segue sendo produzido e comercializado.

Segundo a organização não governamental Action Aid,  ‘Monsanto contribui para o crescimento da fome e da miséria no mundo, ao controlar grande parte do comércio internacional de alimentos e produtos agrícolas. Segundo o relatório, cinco empresas controlam 90% do comércio mundial de grãos, e seis empresas controlam 75% do mercado global de pesticidas. Corporações transnacionais como a Monsanto, Cargill, Nestlé e Wal-Mart, dominam as cadeias de suprimento de alimentos e produtos agrícolas – desde as sementes até as prateleiras dos supermercados’

IMG_0251

Juan Gonzáles, nutrólogo do Peru destacou “nós temos o principal medicamento que necessitamos, que é nosso sistema imunológico e os alimentos transgênicos prejudicam o funcionamento das nossas defesas próprias”. Comentando também que a alimentação transgênica trouxe para nossa sociedade uma variedade imensa de tipos de câncer que estão fundamentalmente relacionados com o que comemos. “São gerações inteiras que nunca se quer comeram um alimento sem veneno”, completou.

IMG_0324

Juán Gonzalez – Nutrólogo peruano

Miriam Langenbach, educadora ambiental da Rede Ecológica, ressaltou o perigo do agronegócio com a situação política atual do governo. “O momento político fica ainda mais crítico com o novo ministro da agricultura – Blairo Maggi – que é um legítimo representante do agronegócio”. E destacou que a publicidade diariamente aliena a população para consumir sem consciência, cada vez mais cedo, e que isso está diretamente ligado a uma cultura de consumir sem se perguntar o que estamos comprando, com “necessidades criadas pela propaganda e não pelos próprios consumidores”.

IMG_0330

Mirian Langenbach – Educadora ambiental e fundadora da Rede Ecológica

Crianças participaram das atividades distribuindo materiais e produzindo cartazes sobre a necessidade de informação nas embalagens sobre alimentos transgênicos.

IMG_0283

A marcha contou com a apresentação musical do grupo Elektromato, que realiza apresentações em eventos e feiras de agroecologia usando a música para despertar consciência sobre as culturas originárias indígenas e sobre os riscos de uma alimentação contaminada por transgênicos e agrotóxicos.

IMG_0212

O ato ainda se juntou aos estudantes e professores da Escola Estadual Amaro Cavalcante que está ocupada e que havia suspeita de uma ação de reintegração de posse, visto que viaturas e um ônibus da polícia militar estavam estacionados na porta da escola. Estudantes imediatamente enviaram pedidos de apoio para os movimentos sociais, mas segundo policiais informaram a nossa equipe de reportagem, eles foram enviados para acompanhar o Ato Contra A Monsanto e não estavam no local para retirar os estudantes da escola.

IMG_0297

O evento que convocava o ato pela internet dizia:

Por que manifestamos contra a Monsanto?

1) É uma verdade cientificamente comprovada que os agrotóxicos fazem mal à saúde das pessoas e ao meio ambiente.
– Dossiê Abrasco: http://abrasco.org.br/dossieagrotoxicos/
– Posicionamento do Instituto Nacional de Câncer: http://goo.gl/1kzvtf

2) A soja e o milho da Monsanto são os transgênicos mais largamente usados no Brasil. Foram modificados geneticamente com a finalidade de resistirem ao herbicida comercializado pela mesma empresa. Além disso, cobra-se royalties (direitos de propriedade intelectual) pelo uso das sementes. Isto faz com que os agricultores, a cada novo plantio, tenham que comprar novos grãos – não podendo reutilizar excedentes da colheita anterior para este fim – e sejam igualmente condicionados a comprar permanentemente o Round Up, o dito agrotóxico, gerando uma dupla dependência à empresa. Milhares de agricultores vão à falência.
– Na imprensa:
https://goo.gl/TjFwyg
– Filme O MUNDO SEGUNDO A MONSANTO: https://goo.gl/fFRQ3O

3) A introdução de transgênicos na natureza expõe nossa biodiversidade a sérios riscos, como a perda ou alteração do patrimônio genético de nossas plantas e sementes. Somos favoráveis ao uso do Princípio da Precaução no caso dos transgênicos e contrários ao patenteamento da vida.
– Princípio da Precaução, pela Greenpeace: http://goo.gl/qeyZj7
– Artigo cientifico (em inglês): http://goo.gl/PHbdSy

4) Somos contra o Projeto de Lei 34/2015 (antes chamado de PL 4.148), que pretende retirar das embalagens os símbolos que identificam produtos com OGMs e que foi aprovado no congresso e em breve será sujeito a votação no senado.
– Repúdio da OAB/RJ: http://goo.gl/CfcT72
– Link para assinar o abaixo assinado contra: http://goo.gl/JkHoKR

5) Somos a favor da Agroecologia, ciência agrícola baseada em práticas que não geram danos ambientais e sociais, produzindo de forma orgânica. Apoiada por diversos especialistas e centros de pesquisas ao redor do mundo e com resultados de produção até maiores do que em sistemas convencionais.
– http://pt.wikipedia.org/wiki/Agroecologia
#ForaMonsanto
#marchagainstmonsanto
#MarchaContraMonsanto
#nãocomotransgênico
#ForaTransgênicos
#foraagrotoxicos

Comentários do Facebook

Comentários

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

To Top