América Latina

A arremetida contra o Povo Mapuche: os casos de repressão em Chubut (Argentina) e na Araucanía (Chile)

Nas últimas semanas, as acões de represão em contra das comunidades mapuche por parte de contingentes policiais militarizados rodarão o mundo.

A violência registrada em Chubut, Argentina, (Puelmapu do Wallmapu, território mapuche), e as ações represivas na Araucanía, Chile, (Ngulumapu do Wallmapu) alertaram novamente os organismos de Direitos Humanos e da sociedade civil, colocando em questão as autoridades dos respetivos países. O fator comum em ambos os casos é a pressão comercial e a exigência para as correspondentes lideranças políticas de ambos países, de impor o “Estado de Direito” a qualquer preço e a proteção da “propiedade privada”, acusando as comunidades mapuche de “impedir o progresso e crescimento econômico nessas áreas”. No lado argentino tem estado presente o forte lobby petrolero e da energía, enquanto no Chile tem sido a pressão da categoria Forestal, Agro e das transnacionais energéticas, porém nos dois casos o resultado tem sido o mesmo: a militarização das áreas e a repressão. Na última sexta-feira, 13 de janeiro, a presidenta do Chile visitou a região da Araucanía (parte do Wallmapu), particularmente as localidades de Cunco e Puerto Saavedra, tudo isso em meio da tensão política e os atos de repressão e perseguição contra as comunidades Mapuche, marcadas pela violência e abuso policial que deixou vários feridos e detidos. Assim que diferentes comunidades Mapuche têm chamado para uma mobilização hoje 17 de janeiro, no centro de Temuco, capital da região.

Foto de Claudia Martínez – 17/01/2017

Por outro lado, o contexto é marcado pela pressão comercial da SOFOFA e em vías de uma impugnação ao ministro do Interior, Mario Fernández por parte da oposição, sobre o papel do governo no caso Luchsinger Mackay e a Machi Francisca Linconao, onde o governo é o autor da acusação de terrorismo contra a Machi e 10 outros moradores, mas uma vez que a Machi começou uma greve de fome que durou 14 dias e depois da pressão social, o governo mudou sua posição sobre a medida cautelar de prisão preventiva para prisão domiciliar.

Foto de Yannette – 17/01/2017

Na Argentina, o presidente Mauricio Macri teve que enfrentar questionamentos pela repressão empreendida esta semana na Provincia de Chubut, sul de Argentina. A provincia esta liderada pelo Governador Marios Das Neves, que ordenou a desocupação do caminho para a polícia, que arremetiú em contra da Comunidade en Resistência de Cushamen. A Igreja Católica pediu ao gobernador para usar o diálogo e não a repressão. As imagens de repressão de esta semana rodarão o mundo. Um morador terminou com seu rosto destruído depois de receber, da policia, uma bala de borracha direto para o rosto que destruiu sua mandíbula direita. Isso somado a uma dezena de detenções que mais tarde os tribunais decidiram como ilegais.

Confira: Denunciam torturas contra 3 mulheres mapuche por parte de carabineros durante um Control de Identidade em Freire

Confira: Dois carabineros foram detidos após disparar e deixar gravemente feridos dois moradores mapuche

Confira o artigo original da Rádio Villa Francia com áudio da testimunha desde a comunidade de resistencia de Cushamen, Chubut, Argentina.

Artigos relacionados:

Sancionan a Francisca Linconao por estar en huelga de hambre

Porque o estado chileno persegue Francisca Linconao?

Chile compra 12 blindados com metralhadoras ‘para dialogar’ com o povo mapuche

Curandeira mapuche Francisca Linconao internada

 

 

Comentários do Facebook

Comentários

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

To Top